Programa Geral

Ver o ProgramaCLIQUE AQUI

Conferencistas Principais


Teresa Cunha
Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra / Escola Superior de Educação de Coimbra, Portugal
Teresa Cunha é doutorada em Sociologia pela Universidade de Coimbra. É investigadora sénior do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, onde ensina em vários Cursos de Doutoramento; co-coordena a publicação ‘Oficina do CES’ e o Programa de Investigação Epistemologias do Sul. Co-coordenou os ciclos do Gender Workshop entre 2012 e 2022. Coordena a Escola ‘Ecologias Feministas de Saberes’. É professora-coordenadora da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra e investigadora associada do CODESRIA e do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique. Em 2017, foi agraciada com a Ordem de Timor-Leste pelo Presidente da República Democrática de Timor-Leste. Os seus interesses de investigação são feminismos e pós-colonialismos; outras economias e economias feministas mulheres; transição pós-bélica, paz e memórias; direitos humanos das mulheres no espaço do Índico. Tem publicados vários livros e artigos científicos em diversos países e línguas dos quais se destacam: Mulheres, Territórios e Identidades vol. 1, 2 e 3; Women InPower Women. Outras Economias criadas e lideradas por mulheres do sul não-imperial; Never Trust Sindarela. Feminismos, Pós-colonialismos, Moçambique e Timor- Leste; Ensaios pela Democracia. Justiça, dignidade e bem-viver; Elas no Sul e no Norte; Vozes das Mulheres de Timor; Timor-Leste: Crónica da Observação da Coragem; Feto Timor Nain Hitu – Sete Mulheres de Timor; Andar Por Outros Caminhos e Raízes da ParticipAcção.


Carlos Serra
Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique / Cooperativa de Educação Ambiental Repensar, Moçambique
Carlos Serra é advogado, consultor, docente universitário e activista ambiental, com especialização em direito do ambiente, longa experiência sobre as temáticas da legislação de resíduos, gestão de resíduos, poluição por resíduos e governação local. Nos últimos anos tem vindo a direcionar as suas energias para o desperdício zero e economia circular, com foco no desenho de soluções na gestão de resíduos que possam reduzir e anular a pegada ambiental e na saúde pública, bem como gerar oportunidades de negócio e emprego junto das populações vulneráveis. Faz parte da equipa internacional de coordenação do Dia Mundial da Limpeza. No seu percurso profissional, teve uma passagem no Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (2015 – 2019), onde adquiriu experiência acrescida em relação aos desafios que o Pais enfrenta no domínio da gestão de resíduos, nos níveis político, legal, governamental local, administrativo, educativo e corporativo, tendo igualmente estabelecido uma rica rede de contactos.

Jorge Capelo
Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, (INIAV, I.P) / CIBIO-InBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto, Portugal
Jorge Capelo é um botânico, especialista em Ciências da Vegetação, Taxonomia de plantas vasculares, Ecologia florestal e da Conservação. É doutorado em Engenharia Florestal pela Universidade de Lisboa, Investigador Auxiliar no Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, (INIAV, I.P). e investigador do grupo ECOCHANGE no CIBIO-InBIO – Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto. Tem desenvolvido a sua atividade científica na ecologia, classificação, biogeografia e história da vegetação portuguesa continental e insular, assim como na de outras áreas da Europa e África, em particular do Mediterrâneo ocidental e Macaronésia. É o responsável dos herbários LISE e LISFA (INIAV, I.P.) em Oeiras. É coautor das fichas dos habitats do Plano Setorial da Rede Natura 2000, assessor da Flora iberica, coautor da Checklist da vegetação de Portugal, continente e ilhas, da EuroVeg Checklist – classificação hierárquica da vegetação da Europa, da Lista Vermelha dos Habitats da Europa e recentemente foi editor de um volume sobre a Vegetação de Portugal (INCM). Pertence a vários grupos e redes de investigação, como sejam o Grupo de Botânica da Madeira, o grupo de trabalho de Classificação ou European Vegetation Survey da International Association of Vegetation Science (IAVS). É docente convidado em várias instituições universitárias. É autor de táxones e unidades de vegetação novas para a Ciência. É editor de várias revistas científicas internacionais na área da Biodiversidade e Ecologia da Vegetação. A sua atividade na investigação aplicada e intervenção cívica tem-se centrado na gestão para a conservação de espécies e habitats naturais, em contexto de sistemas agrícolas e florestais. Em particular na tipologia de suporte a cartografia de habitats e planos de gestão de áreas com valor de conservação.tional and international projects and consortia, including the Millennium Ecosystem Assessment. Supervised or co-supervised 35 doctoral dissertations. She is the author of more than 300 international scientific publications and several publications promoting and disseminating science.

Maria Muñoz Santos
Fundación Interuniversitaria Fernando González Bernáldez para los Espacios Naturales, Espanha
María Muñoz Santos é licenciada em Ciências Ambientais, doutorada pelo Programa Interuniversitário de Educação Ambiental, especializada em formação, educação, participação e comunicação em espaços naturais protegidos. Realizou estadias de investigação nos Estados Unidos e Costa Rica. 
No Departamento de Ecologia da Universidade Autónoma de Madrid realizou estudos e formação técnica relacionadas com o uso público, capacidade de acolhimento, serviços e programas de comunicação, educação e participação ambiental em espaços protegidos, em Espanha, Estados Unidos da América e América Latina.
Desde 2007 trabalha na Fundação Interuniversitária Fernando González Bernáldez para os Espaços Naturais, onde coordena, desde essa data, o Mestrado em Espaços Naturais Protegidos
e o programa de formação continua.
Coordena e participa em diferentes projetos, dos quais se destacam os mais recentes:
– LIFE ENABLE. Creating the European Natura Academy for applied Blended Learning (2021-2024).
– Desde 2007 coordenação, desenho e execução de diferentes atividades formativas dentro dos sucessivos programas Emplea Verde de la Fundación Biodiversidad, financiados pelo FSE (mais de 30 cursos, 500 alunos).
– Coordenação do grupo de trabalho de Áreas Protegidas para a elaboração do Plano de ação de Educação Ambiental para a Sustentabilidade. Ministério para a Transição Ecológica e desafio Demográfico (2020).
– LIFE e-Natura2000.edu. Supporting e-learning and capacity building for Natura 2000 Managers.
– Elaboração do dossier de candidatura da Carta Europeia do Turismo Sustentável na Comarca de Maestrazgo. Dinamização do processo de participação e preparação da documentação técnica (2017).
– Mulheres, motores para a diversificação económica em meio rural e para a melhoria da governança através de espaços naturais protegidos (2014).
– Volunteer Management in European Parks- GRUNDTVIG-Multilateral Project (2010-2013).

Rogério Roque Amaro
ISCTE – Instituto Universitário de
Lisboa – Portugal
Rogério Roque Amaro é economista, doutorado em “Analyse et planification du développement”, em 1980, pela Université des Sciences Sociales II de Grenoble (França).
Actualmente é Professor Associado do ISCTE-IUL, no Departamento de Economia Política, leccionando na licenciatura de Economia e nos mestrados de “Estudos de Desenvolvimento” e “Economia Social e Solidária”, de que foi fundador.
Foi membro da Direcção do Centro de Estudos Africanos do ISCTE-IUL e leccionou no mestrado de “Estudos Africanos – Desenvolvimento Económico e Social em África: Análise e Gestão”. É investigador no Centro de Estudos Internacionais, CEI-IUL.
Leccionou também, durante dez anos, nos mestrados de Sociologia da Universidade de Évora e da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.
É consultor do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), da OIT (Organização Internacional do Trabalho) para as áreas de Desenvolvimento e Economia Social e Solidária e do Governo Regional dos Açores – Instituto de Acção Social (Programa INTERREG).
É actualmente Presidente do Conselho Científico e sócio fundador do Centro de Estudos de Economia Solidária do Atlântico (Ponta Delgada) e Director da Revista de Economia Solidária.
Tem desenvolvido e apoiado vários projectos de intervenção comunitária e Economia Solidária em várias zonas do país, no meio urbano e no meio rural em Portugal.
Participação em projectos internacionais, nomeadamente: STEP/Portugal – OIT, como Consultor; CEESA (Centro de estudos de Economia Solidária do Atlântico), envolvendo Açores, Cabo Verde, Canárias e Madeira, como Presidente da Comissão Instaladora; Capacitação das ONG ́s de Cabo Verde; Curso de Intervenção Social em Moçambique e Guiné-Bissau; Desenvolvimento Comunitário nos Bairros de Bissau; Projecto “Former Sans Exclure” – ESAN; Vários Projectos do Programa EQUAL (Transnacionais).
Fundador do CIDEC – Centro Interdisciplinar de Estudos Económicos; Fundador e Sócio da CESO – Cooperativa, Economia e Sociedade; Fundador do DINÂMIA – Centro de Estudos para a Mudança Socioeconómica (ISCTE); Fundador e Presidente da Direcção da PROACT – Unidade de Investigação e Apoio Técnico ao Desenvolvimento Local, à Valorização do Ambiente e à Luta contra a Exclusão Social (ISCTE); Coordenador do Projecto de Luta Contra a Pobreza “PRÍNCIPES DO NADA” (Carnide); Coordenador de vários projectos de investigação e investigação-acção; Presidente do Conselho Pedagógico do ISCTE durante dois anos; Presidente da Secção Autónoma de Economia do ISCTE durante dez anos.
Fundador e presidente da Assembleia-Geral (durante doze anos) e da Direcção (três anos) da ANIMAR (Rede de Associações de Desenvolvimento Local em Portugal). Presidente de vários órgãos sociais de diversas organizações como: CIDAC, CRC, Centro de Estudos Africanos, ESDIME; Fundador da Cooperativa “Horas de Sonho”.
Pertence actualmente ao Conselho Consultivo da RIPESS – Rede Intercontinental de Promoção da Economia Social e Solidária e à RIUESS – Rede Inter-Universitária da Economia Social e Solidária.
Fundador e actual vice-presidente da Direcção da RedPES – Rede Portuguesa de Economia Solidária.
É ainda presidente da direcção e fundador da GLOCALDECIDE – Associação para a Democracia, a Cidadania e o Desenvolvimento e da Associação “Vida Criativa”, que se centra em projectos com comunidades ciganas.
Membro da Comissão Executiva da Rede Lusófona de Desenvolvimento e Economia Social e Solidária.
Comendador da Ordem de Mérito em 2004. 
Tem várias publicações, além de várias comunicações apresentadas em encontros, congressos e colóquios nacionais e internacionais.

Daisy Flores
JASS Mesoamérica (Asociadas por lo Justo), Honduras
Daysi Flores é eco feminista e vive nas Honduras. É coordenadora regional de vinculação e comunicações para JASS Mesoamérica, onde se enfoca o desenho e implementação da estratégia de comunicação para a região e conjuntamente com os seus colegas, explora os vínculos regionais e globais dentro de movimentos e organizações. Durante os últimos 30 anos, Daysi dedicou a sua vida ao ativismo pelos direitos das mulheres a nível nacional, regional e global. É comunicadora social e engenheira civil, com ênfase nas mudanças climáticas e gestão de desastres. É ativista eco feminista, amante de música, da rádio e do cuidado pelo ambiente. Gosta de cultivar em hortas urbanas, escrever e conectar-se com a vida de várias formas. Daysi acredita que a capacidade de aprender coletivamente gera espaços que potenciam as melhores qualidades individuais e  coletivas, enraizada no cuidado com o avanço dos direitos das mulheres e em benefício do planeta.

Maria Arlete Rosa
Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil
Mestre e Doutora em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 
– Pós Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná.
Vice-Coordenadora e Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná – 2012 -2021. 
Diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR – 2003 – 2010. 
Titular do Conselho Estadual de Educação do Paraná – 2010 – 2016. 
Editora da revista Cadernos de Pesquisa – Pensamento Educacional – PPGED/UTP.
Titular da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental do Paraná – 2020 – 2022.
Integra redes de pesquisa:  Rede de Educação Ambiental do Paraná(REAPr), Rede Brasileira de Educação Ambiental(REBEA), ReaSul e Alianza de Redes Iberoamericanas de Universidades por la Sustentabilidad y el Ambiente – área de educação, educação ambiental e políticas públicas.ontología, Maestría en Bioética, Maestría en Responsabilidad social y desarrollo sostenible, Maestría en Gestión del Diseño para los desarrollos regionales, Maestría en Extensión y Desarrollo Rural, Especialización en Salud Pública).

Vilmar Alves Pereria
Universidad Internacional Iberoamerica –
UNINI, México
e
Universidade Estadual do Oeste do
Paraná – UNIOESTE, Brasil
Filósofo, Educador Ambiental Popular, Professor na Universidad Internacional Iberoamerica – UNINI nos Programas de Doutorado em Projetos – México e Doutorado em Educação – Porto Rico; Professor Colaborador na Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural Sustentável – PPGDRS – BR. Pesquisador sobre os Fundamentos da Educação Ambiental com Bolsa de Produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – Nível 2 em Educação. Coordenador Adjunto da Rede Internacional de Pesquisa Resiliência Climática – RIPERC; Integrante da Rede Lusófona de Educação Ambiental (Redeluso), Professor Colaborador do Ministério da Educación da Nicarágua – MINED desde 2017 na Formação de Professores desde o horizonte da Educação Popular. Tem participado de inúmeras redes e conferências, mesas temáticas a partir do da perspectiva da Educação Ambiental Popular, da Justiça e Injustiças Socioambientais na América Latina e Caribe em diálogo com os povos originários e aprendizados de suas cosmovisões de onde busca pensar Ontoepistemologias Ambientais. Autor da teoria Ecologia Cosmocena como alternativa ao Antropoceno. Trabalho em destaque https://www.researchgate.net/publication/342130212_O_que_sera_o_amanha_Educacao_Ambiental_na_America_Latina_e_Caribe_a_Justica_Ambiental_e_o_COVID-19.

Michèle Sato
Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil
Michèle Sato é professora da Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil, pesquisador do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA). Bióloga, com mestrado em filosofia, doutorado em ciências e 3 estágios de pós-doutorado no âmbito da educação. Nos últimos anos, ressalta trabalhos em justiça climática, fenomenologia da arte e colapsologia. 
https://gpeaufmt.blogspot.com